MENU

Poema

América - Castro Alves

— Se inclina indolente sonhando talvez!
A fronte nos Andes reclina serena.
E o Atlântico humilde se estende a seus pés.
As brisas dos cerros ainda lhe ondulam

O Navio Negreiro - Castro Alves
Amor é fogo que arde sem se ver - Luís Vaz de Camões
Canção do exílio - Gonçalves Dias
Lembrança de Morrer - Álvares de Azevedo
O Diário de Anne Frank - PDF
Vozes d'África - Castro Alves
Busque Amor Novas Artes, Novo Engenho - Luís Vaz de Camões
A Canção do Africano - Castro Alves
Versos íntimos - Augusto dos Anjos
Psicologia de um Vencido - Augusto dos Anjos
Ismalia - Alphonsus de Guimaraens
Antífona - João da Cruz e Sousa
As Pombas - Raimundo Correia
Ela - Machado de Assis
Motivo - Cecilia Meireles
À Cidade da Bahia - Gregório de Matos
Que falta nesta cidade - Gregório de Matos
Ao braço do mesmo menino Jesus quando apareceu - Gregorio de Matos
Nel mezzo del camim - Olavo Bilac
A Alvorada do Amor - Olavo Bilac

América - Castro Alves

— Se inclina indolente sonhando talvez!
A fronte nos Andes reclina serena.
E o Atlântico humilde se estende a seus pés.
As brisas dos cerros ainda lhe ondulam

Nas plumas vermelhas do arco de avós,
Lembrando o passado seus seios pululam,
Se a onça ligeira boliu nos cipós.
São vagas lembranças de um tempo que teve!...

Palpita-lhe o seio por sob uma cruz.
E em cisma doirada — qual garça de neve —
Sua alma revolve-se em ondas de luz.
Embalam-lhe os sonhos, na tarde saudosa,

Os cheiros agrestes do vasto sertão,
E a triste araponga que geme chorosa
E a voz dos tropeiros em terna canção.
Se o gênio da noite no espaço flutua



Que negros mistérios a selva contém!
Se a ilha de prata, se a pálida lua
Clareia o levante, que amores não tem!
Parece que os astros são anjos pendidos

Das frouxas neblinas da abóbada azul,
Que miram, que adoram ardentes, perdidos,
A filha morena dos pampas do Sul.
Se aponta a alvorada por entre as cascatas,
Que estrelas no orvalho que a noite verteu!
As flores são aves que pousam nas matas,
As aves são flores que voam no céu!

......................................................................

Ó pátria, desperta... Não curves a fronte
Que enxuga-te os prantos o Sol do Equador.
Não miras na fímbria do vasto horizonte
A luz da alvorada de um dia melhor?

Já falta bem pouco. Sacode a cadeia
Que chamam riquezas... que nódoas te são!
Não manches a folha de tua epopéia
No sangue do escravo, no imundo balcão.



Sê pobre, que importa? Sê livre... és gigante,
Bem como os condores dos píncaros teus!
Arranca este peso das costas do Atlante,
Levanta o madeiro dos ombros de Deus.


Mais de sanderlei.com.br

Música - Song
Radar by Sanderlei (TRENDS)
Tudo que rola no mundo musical, incluindo Billboard Hot 100 e músicas de mais de 100 países em 50 diferentes línguas.

PDF Domínio Público
Livros em PDF para Download
Lista completa de Livros em PDF para Download em Domínio Público

Just Go - Viagem Volta ao Mundo
#JustGo - Sanderlei Silveira

Poesia
Poemas by Sanderlei

A Boneca - Olavo Bilac
Descalça vai para a fonte - Luís Vaz de Camões
Língua Portuguesa - Olavo Bilac
Transforma se o Amador na Cousa Amada - Luís Vaz de Camões
Tragédia no lar - Castro Alves
Alma minha gentil que te partiste - Luís Vaz de Camões
A Carolina - Machado de Assis
Como Quando do Mar Tempestuoso - Luís Vaz de Camões
Velhas Árvores - Olavo Bilac
Balada da Neve - Augusto Gil
A mãe do cativo - Castro Alves
Sôbolos rios que vão - Luís Vaz de Camões
Bandido Negro - Castro Alves
Quase - Mário de Sá-Carneiro
A cruz da estrada - Castro Alves
Amar - Florbela Espanca
Budismo Moderno - Augusto dos Anjos
O morcego - Augusto dos Anjos
Porque Quereis, Senhora, que Ofereça - Luís Vaz de Camões
Marabá - Gonçalves Dias
A moleirinha - Guerra Junqueiro
Incensos - João da Cruz e Sousa
Vozes da Morte - Augusto dos Anjos
Cantata à morte de Inês de Castro - Bocage
Fábula - O pássaro e a flor - Castro Alves
A ideia - Augusto dos Anjos
Quem Ve, Senhora, Claro e Manifesto - Luís Vaz de Camões
América - Castro Alves